Você não imagina o que aconteceu quando fui morar na poltrona 17A

Virou um clássico as pessoas me perguntarem onde eu moro, e eu, prontamente, responder: “Na poltrona 17A ou 31F”. Uma brincadeira para dizer que estou sempre viajando e não passo muito tempo em casa.

Existe uma mistura de reações quando falo isso. Alguns ficam com inveja de estar sempre em lugares diferentes – o que sim, é muito legal – mas, normalmente, é diferente do que pensam, pois imaginam apenas que frequento os melhores restaurantes, pessoas me levando para lá e para cá e hotéis maravilhosos... o que, na maioria das vezes, é longe da realidade – ainda bem.

Outros, como a maioria imagina, o peso que é estar para lá e para cá em ônibus, salas de espera, aviões, aeroportos, cafés e afins. De fato, isso é bastante puxado, mas podemos lidar quando sabemos como – e saberemos isso, principalmente se formos Free LifeSytle.

Eu disse “ainda bem” ali em cima porque, normalmente, os locais que disponibilizam as acomodações e meios mais simples e humildes são os que mais precisam da nossa força, e além disso, geralmente é o pessoal que mais se esforça em mostrar o quão bem-vindo somos. Eu acho incrível isso. Não existe ambiente melhor do que aquele em que as pessoas lhe abraçam forte porque você está ali para ajudar, nem o melhor colchão do mundo supera esse sentimento, mesmo que você tenha que dormir em um colchonete velho.

A ideia deste artigo é mostrar que Free LifeStyle é saber não só fazer do limão uma limonada, mas também uma caipirinha e até uma mousse, quem sabe.

Essa vida de viajar toda a hora e estar sempre na estrada, passando por muita coisa doida não é fácil, mas não ser divertida é uma questão de percepção.

Se você analisar bem, seria sim um saco estar toda hora para lá e para cá, são poltronas dos ônibus que estragam, crianças que choram, pessoas que esqueceram o desodorante, banheiros que quebram, salas de espera com bancos duros, locais muito abertos que ficam muito frios enquanto se espera, comidas pesadas de origem duvidosa, pessoas mal-humoradas que te atendem... Sério a lista é imensa.

Porém, como disse, é uma questão de ser Free LifeStyle e saber aproveitar essas situações de uma maneira divertida e única. Eu sempre penso que estou em diferentes ambientes para ser inspirado e desenvolver novos conteúdos, pois como sou escritor, estou com novas paisagens a todo momento. Todas aquelas adversidades me ajudam a entender mais das dificuldades do dia a dia, passam lições importantes que desenvolvo conteúdos, lembram de valorizar as coisas boas e simples. Posso ler os meus livros em diferentes ambientes, experimentar comidas estranhas e descobrir ótimas receitas, conhecer pessoas com histórias fascinantes, saber da cultura e peculiaridades de várias localidades. Às vezes, eu uso o frio para me manter acordado, ou que uma ideia minha poderá ajudar alguém a criar um negócio social que ajude pessoas que estão passando frio, ou a própria pessoa que está com frio, a criar um negócio que possa gerar grana para sair da situação – o que é ainda mais legal.

Até quando eu volto para casa, a que não é a poltrona, é um dia superespecial, pois eu estava longe e quero curtir as minhas coisas.
Como na descrição ali, a vida de viagem e situações pelas quais preciso passar são as mesmas de muitas outras pessoas, o que diferencia cada uma é a forma como lidam com essas experiências.

Portanto, não é porque viajo muito que tenho essa vida superdivertida e animada, sentindo-me o cara mais sortudo de todos, mas é por ser um Free LifeStyle que tenta fazer isso ser muito animado e proveitoso. A sua vida pode ser tão legal ou mais que a minha, se você souber ver dessa forma. Lembre-se que jamais será o que você tem e o que faz, mas como você aproveita isso.

Compartilhar no Facebook