Suas referências, não são verdades.

Talvez essa seja uma das maiores confusões, que eu vejo humanos fazerem. Isso reflete muito em questões, ainda piores, como preconceitos e humilhações.

Segundo a Neurolinguística, o estudo da comunicação humana, as pessoas quando se comunicam, colocam junto de suas ideias, frases e percepções, aquilo que faz parte das suas experiências e de suas intenções.

O quê isso quer dizer?

Que qualquer coisa que aconteça (uma pessoa lhe apresenta um prato novo, um ponto de vista politico, ou até um projeto de vida ), você tende à analisar isso, de acordo com suas experiências já vividas, e as suas expectativas para o futuro.

Aqui tem um grande problema. Ora, tudo é novo, e o que você já viveu e espera, pode ser muito interessante, mas não são parâmetros para julgar esse novo, essa informação. Você pode usar isso para compreender, mas não julgar.

E isso se desenrola no maior dos problemas, que é a criação de verdades, através desse julgamento, em cima das suas ideias.

Deixe-me ilustrar, através de um fato muito simples:

Uns tempos atrás, estava em uma cidade tomando café com uma amiga, que também estava lá à passeio. Enquanto degustávamos a bebida, ela comentou: “Nossa, mas esse não é, verdadeiro café mineiro! O verdadeiro, tem lá em tal lugar na minha cidade”.

De início, deixei quieto e só concordei. Ainda acrescentei que devia ser uma delícia.

Mas ela, continuou:” Não, porque esse é fraco... o verdadeiro é aquele”.

Foi quando comecei a questioná-la: Verdadeiro para quem? Para você? Porque deveria ser para mim também?

Ela ficou meio sem jeito, e argumentou que o café mineiro era mais forte.

Foi quando falei, novamente, isso é para você e o seu gosto. Eu por exemplo, gosto de café fraco. Também poderia dizer que, esse que estamos tomando é o verdadeiro café mineiro, assim como as pessoas da cidade.

Quem está certo?

Ambos ora. Os dois cafés foram feito em Minas, com grãos de minas, ambos são mineiros. Só que nenhum é falso.

Note que mesmo em uma situação simples, as raízes e as referências faziam minha amiga acreditar, que ela tinha a verdade. Mas, que na verdade, era apenas sua opinião, sua crença.

Leia também - Os verdadeiros loucos têm asas gigantes que os impedem de andar

Quando você começa a assumir isso como verdade, resolve exigir dos outros o mesmo comportamento que o seu, acreditando que o mundo está de ponta cabeça.

Teremos mais igualdade, apenas quando tivermos maior compreensão, e menos “verdades”. E isso, começa por você.

Não adianta dizer, mas o mundo é assim, então também vou ser. Se você hoje, começa a ter esse pensamento mais Free LifeStyle, de liberdade, de entender que existem suas experiências e crenças, assim como os outros a tem, e buscar uma compreensão, teremos muito mais paz e harmonia.

Afinal a compreensão é boa, calma, ela não impõe nada, e ajuda a tomar atitudes mais ponderadas, em um mundo que está sempre em fúria e revolta. Desta forma, use sim, suas crenças e valores para construir coisas incríveis. Porém, não transforme isso em verdades. Caso contrário, você será como um ditador, impondo suas “verdades” as demais pessoas.

Compartilhar no Facebook