Quem faz BURRADAS se aproxima do sucesso

A quantidade e a qualidade dos seus erros pode ser o melhor indicador de quão perto do sucesso você está.

Você sabe quem foi Michael Jordan? Se pensou que foi o maior jogador de basquete de todos os tempos, esse é um fato a ser discutido, pois alguns diriam que você está errado. No entanto, um fato é incontestável: ele foi o profissional de basquete que mais errou cestas na história. Ou seja, aquele que é, pela maioria, considerado a grande referência do esporte, também foi o que mais “falhou”. E Thomas Edison? Você vai pensar agora que foi a pessoa que mais errou invenções, mas acertou na lâmpada. Não sei se foi a que mais errou, mas certamente está entre uma delas, e também trouxe ao mundo ideias incríveis. E Einstein? Jobs? Gandhi?

Sim, todas essas pessoas cometeram incontáveis erros mas, através de suas atitudes ousadas e persistentes, promoveram impactos gigantes na humanidade. Agora pense: seria melhor se eles tivessem errado menos?

A questão é que no Brasil o fracasso é como uma doença contagiosa da qual parece ser melhor ficar longe e evitar a todo custo. Mas, não é porque grande parte das pessoas infelizmente pensa assim que você também deve. Um dia algumas pessoas acreditavam que as mulheres não poderiam trabalhar. E se todo mundo continuasse pensando dessa forma? Já imaginou que porcaria? Olha que incrível foi elas entrarem no mercado e assumirem a liderança das empresas. A evolução veio com a mudança de atitudes e pensamentos e, assim, pode ser com a cultura dos erros.

Você não acha nobre uma pessoa que arrisca fazer algo, se joga de frente para realizar uma ação e, mesmo que dê errado, nós olhamos e pensamos “nossa, essa pessoa foi corajosa”. E agora, se essa mesma pessoa for tentar novamente, você não acredita que a chance dela está maior? Afinal, ela aprendeu situações novas, está mais habituada com o que vai fazer... Se fôssemos apostar, eu diria que as chances dela cresceram.

E se você fosse livre para errar, na busca dos seus sonhos e, obviamente, não prejudicando os outros, como seria?

Parece bom, não é? No entanto, deixe-me lhe contar: você já é livre assim.

A verdade é que esse maldito senso comum tem uma direção completamente equivocada de percepção. O foco está em que determinada pessoa não conseguiu algo e não em que ela está mais próxima de uma realização e com um aprendizado maior. São dois lados da mesma moeda. Porém, para qual deles olhamos é o que define a forma de ver e, infelizmente, de não agir da maioria. Algemados a uma prisão que não existe!
E essa é a minha grande preocupação que gostaria de dividir com você. A forma como estamos lidando com isso deixa muitas pessoas travadas em tentar e outras traumatizadas por terem chegado mais próximo de algo incrível (errado para os chatos). Eu quero mais Jordans, Gandhis, Edisons e por aí vai. Eu quero malucos cheios de erros que fazem a nossa vida melhor.

Portanto, se eu puder lhe pedir algo hoje seria: incentive uma ou mais pessoas próximas de você que cometeram erros. Fale para elas o quanto você respeita o fato de elas terem ousado e que pessoas admiradas por todos nós erraram muito mais do que elas. Ou seja, a quantidade de erros delas deve aumentar consideravelmente. Vamos ver aonde isso vai chegar: no mínimo você vai ganhar um “muito obrigado” ou alguém vai chegar até você e lhe dar o mesmo incentivo. De qualquer forma #pormaiserrosdobem

Sempre acreditei que “quanto mais você melhorar a quantidade e qualidade dos seus erros, mais perto do sucesso estará”.

Compartilhar no Facebook