O barco é o mesmo. Muda a vista que você escolheu para o mar.

Francisco é meu colega de trabalho. Um homem admirado, tanto por sua beleza física, como pelo profissional exemplar aqui e no exterior. Aqueles que olham pra ele, automaticamente, o veem como alguém que “deve ter tudo na vida”.

Então, ele tem mais ou menos… Não tem, esse “tuuuuuudo”, não!

Eu o conheço e posso dizer, que isso não passa de julgamento exterior, porque internamente, emocionalmente falando, o cara é um zero à esquerda. Encanado, desconfiado como só ele, “viaja” num oceano de ideias e neuroses, diariamente.

Nesse exato momento, ele está aqui ao meu lado, de frente para um cliente, sem conseguir desgrudar os olhos de seu celular. Alguém consegue adivinhar, no quê ele está de olho?

Você aí, que está me lendo, nesse momento…: “Se sentiu Francisco?”

É, gente... Ele está “monitorando” a namorada. E isso, se estende noite à dentro, também. O coitado, dorme “picadinho”, porque sua agitação é tamanha durante o dia, que sua mente, não consegue mais descansar.

Sabe quem vem tirando o sono de Francisco? O padeiro. Sim, o menino dos olhos azuis, sorriso largo e porte atlético, que escolhe os pães para sua namorada, todas as manhãs.

Como assim? Pois, é... O Francisco consegue comprar de tudo e, se impor pelo lado material. Mas é incapaz de fazer um agrado, de sorrir, de ser prestativo, de transformar pequenos gestos em outros consideráveis, assim como o padeiro. Francisco é um grosso, um insensível, um ogro… Aquele tipo que faz a mulher chorar, dia sim, outro também. Porque óbvio, ao se sentir menosprezado e inseguro, ele torna a vida da namorada um inferno.

Leia também - Aprenda 5 lições de vida com pessoas extrovertidas

Agora, eu te pergunto: Quantos Franciscos, você conhece? Não seria você, um deles, também?

De Franciscos. o barco está cheio. Todos eles com a mesma característica: a de exaltar aqueles que estão do outro lado e, de depreciar o quê carregam dentro de si, colocando aqueles que estão ao seu redor, para fazer parte de seu sofrimento.

Ô, Francisco… Saiba de uma coisa: o Francisco padeiro, adoraria ser um executivo de sucesso e viajar o mundo, assim como você. Ele também tem problemas em casa, porque embora carinhoso e sensível, morre de medo de perder a mulher, por não comprar o essencial dentro de casa.

Para todos, seja você Francisco, João, Maria, Ana… Não se pode ter tudo na vida. Mas já faz uma boa diferença, olhar com gratidão, para aquilo que se tem.

Compartilhar no Facebook