O amor verdadeiro, não machuca

Foi estranho ouvir a frase: “Aquele amor, doía”.

Era como se não tivesse sentido nenhum, tal como, “aquela flor não voa”, ou “aquele cavalo não pia”. Simplesmente, isso não pode acontecer. Acredito que exista uma confusão muito grande no amor, e nas prisões que ele impõe, aqueles que supostamente o sentem.

Tudo aquilo que é preso, não pode ser natural. No exato instante que eu peço, compartilhe esse artigo, você pode fazer, mas não é natural, pode ser que você queria fazer isso e te lembrei. Mas ainda assim, não será a partir de uma ação genuína, partida de você.

Desta forma, muitas vezes as pessoas começam a depender das demais, se engando através de ideias supostamente românticas, as quais escondem a tirania de um Hitler. É gostoso estar com determinada pessoa. Logo, a quero só para mim.

Não... Isso é totalmente destrutivo!!!!!

Todas as pessoas têm o livre arbítrio. Decidem aquilo que querem fazer, e como fazer – você não tem controle sobre ninguém! No momento que você tenta prender alguém, seja lá da forma que for, as escolhas não são, tão espontâneas… e os sentimentos, também não.

Algo tão bonito, não pode ser para aprisionar. E o detalhe é que as dores começam a vir justamente porque, as algemas começam a ser cada vez mais apertadas. Aquele senso de dependência, escondido em contar com o outro, não é de verdade... é um dever – a maldita palavra “preciso de você”, assassina tudo.

Você nasceu sozinho, e sairá desse mundo assim. Você pode compartilhar o que há de mais belo em você, mas essa troca deve ser porque te transborda amor. E ela é gostosa assim, sem obrigações, ou deveres. É pura, natural e livre.

Isso não apenas em relacionamentos, mas também em amizades, e até ainda mais em religião. De onde você espera amor, não pode vir dor, pois o amor liberta o melhor de você para si e depois para o mundo. No momento em que lhe causa dor, não é amor. Pode ser qualquer outra coisa, mas não amor.

Você pode até dizer que, amava demais uma pessoa, e que sofria muito, porque ela o decepcionou, ou partiu. Daí então, você criou uma dependência, estabeleceu uma regra de que para a felicidade, o outro é necessário. Isso foi o ponto de partida, na caminhada na trilha da infelicidade.

Você é feliz, porque você é feliz. Outras pessoas podem potencializar isso, mas não podem ser as juízas disso. As pessoas maravilhosas que partem, deixam ótimas histórias, experiências e isso já é mais do que suficiente para sorrir. Amanhã a vida é outra, e se você ama de verdade, sabe que a felicidade está ali no novo dia, no novo transbordar do seu melhor para o mundo.

Como Free LifeStyle, lembre-se de que amores verdadeiros, não podem machucar. Eles são livres. Eles são vida.

Compartilhar no Facebook