Nada engana mais do que a falsa estratégia.

O problema dos grandes objetivos nas empresas e pessoas.

Esses dias estava lendo um livro que falava sobre essa questão de como as empresas têm colocado altos números para alcançar, mas não traçavam planos adequados para lidar com isso. Ou pior ainda, esqueciam de lidar com seus maiores desafios.

Resolvi ir mais adiante no assunto, comecei a perguntar a alguns amigos empreendedores e a olhar algumas declarações de startups e empresas das quais eu gosto do modelo de negócio. Para a minha surpresa, as principais estratégias se resumiam em aumentar 20 a 30% o lucro, alcançar o segundo lugar ou atingir o primeiro na escolha dos clientes, aumentar o share em 7%... Várias metas audaciosas, mas cadê a estratégia?

Você pode pensar: “ah Bruno, mas eles não vão sair revelando assim”. Bom, eu conversei com a grande maioria e na maior parte tinham algumas ações simples, mas muitos poucos tinham reais atitudes pautadas nos maiores desafios e no alto impacto que a empresa poderia causar.

E então fiquei pensando no seguinte: se você tem o objetivo de aumentar a sua participação no mercado, os outros possivelmente também têm, afinal, duvido que alguém planeje diminuir suas participações e lucro. Portanto, mesmo que o dinheiro ganho do público ou que pessoas ou empresas cresçam (o que tem sido meio difícil nos últimos tempos), isso não cresce na mesma velocidade desses objetivos ambiciosos. O que isso quer dizer? Você precisa de uma verdadeira estratégia diferenciada e uma boa dose de ousadia para chegar perto do que gostaria.

Não lhe parece lógico? Pois, infelizmente, a maioria não para e pensa nesse simples raciocínio e pauta seus objetivos em pura força de vontade. O que não é suficiente!

Motivação é importante? Óbvio. Porém, se aplicada no lugar errado, apenas potencializa o erro. Não é só você querer crescer e botar muita vontade nisso, as outras pessoas também têm muita vontade. A diferença é você ter esse ânimo incrível naquilo que realmente importa e fazer a diferença.

A conclusão disso tudo é que para empreender, e fique à vontade para pensar até em objetivos pessoais ou carreiras liberais, mas na essência sobre as empresas, ter objetivos grandes não é estratégia, são metas.

Eu sou um dos maiores defensores da ousadia, de tentar o impossível e fazer coisas que desafiem a realidade, mas não é só você mirar lá, também precisa estabelecer os principais desafios para isso e elencar as formas mais precisas e de alto impacto para fazer acontecer. Senão é apenas um objetivo ousado na sua cabeça, e disso o mundo está cheio. E lembre-se de fazer isso de uma maneira Free LifeStyle, aproveitando e curtindo...

Compartilhar no Facebook