Eu SOU ASSIM, MESMO. E daí?

Essa pergunta, te soa familiar?
Pois, é… Isso é algo comum de acontecer, mas nem tão fácil de resolver.

Hoje, vou misturar um pouco do meu lado pessoal com o profissional, para poder expressar como me sinto, o quê penso e, como sempre lidei com tal situação.

Não posso mentir. Mas quando ouço esse tipo de coisa, me seguro para não responder:

“E daí que assim, não dá pra ficar!”

Porque, não é brincadeira, você ter dentro de um grupo, uma única pessoa capaz de arrebentar com toda uma estrutura, por conta do seu jeito de ser.

De verdade? Usar dessa expressão é o mesmo que delegar ao resto do mundo, aquilo que SÓ cabe à tal pessoa: MUDAR. E mudar, no sentido de aceitar o que a vida lhe mostra e, fazer uso disso para evoluir, enquanto pessoa.

Leia também - O barco é o mesmo. Muda a vista que você escolheu para o mar.

Não bater com “o santo” de um, ok . Mas não bater com “os santos” de um grupo de pessoas, dentro do qual ela está inserida, é um GRANDE alerta de que tem algo errado, SIM!

Pergunto: O grupo muda por conta de uma única pessoa, ou essa última muda pelo grupo?

Nessas horas, melhor parar tudo e fazer o “saldão”. Mostrar, o quanto já se perdeu e, o quanto poderia ser ganho. Em momento algum, deve-se expor tal pessoa frente aos demais, “tipo paredão”. Mas é deixar claro da importância de TODOS, dentro de um dentro TODO.

Quem trabalhou, ou trabalha comigo, sabe de uma frase que sempre uso: ME AJUDA QUE EU TE AJUDO, porque eu preciso de você. E, você precisa de mim.

Compartilhar no Facebook