Eu amo estar feliz sem saber exatamente porquê.

Você já deve ter tido aqueles momentos de filme da Disney, bem no início, quando o narrador começa a história e os pássaros cantam, a imagem é maravilhosa, a câmera vai se deslocando por uma boa e pacata vida.

Essa é uma cena que começa agradável, e justamente reflete um pouco do que quero falar aqui: a ideia de estar feliz sem saber porquê.

Quando você está feliz sem motivo especial, normalmente você presta mais atenção nas coisas à sua volta: uma árvore, um quadro, uma moldura, um móvel... parece que o mundo ao seu lado ganha cores.

O que notei, quando essa sensação maravilhosa está a nossa volta, é que não ter um motivo específico para estar feliz, é justamente pelo fato de não depender de um objetivo final, somente contemplar a vida.

Ao que me parece, ao longo do tempo, quando éramos crianças as pessoas nos distraiam para olhar o gato, olhar o cachorro, o caminhão do lixo, e até um objeto colorido esquisito que fazia sons enjoativos, porque tudo era novo, uma descoberta.

No entanto, quando parei para pensar, vi que não era só isso; tínhamos tempo e atenção para degustar aquele momento, e o quê o mundo nos apresentava.

Quer ver outro exemplo do que estou falando. Quando você viaja por muito tempo e volta para sua casa, aquele olhar do retorno, das suas coisas, seu sofá, cama, travesseiro... parece que eles são tão valiosos nesse momento! Mas, ao longo do tempo, não vemos mais isso.

Leia também - O que aprendi subindo na cadeira de um bar.

O que tenho notado é que a nossa felicidade começa a depender muito da conquista de objetivos e metas. É comprar tal roupa, é trocar de carro, é ir naquele lugar jantar, é subir na carreira... Os exemplos são vários, mas apenas a linha de chegada de algo, permite a sensação de “WOW a vida é ótima!”.

Mas isso, não é injusto?

Sua casa continua legal, os pássaros continuam lindos, o sol se levanta, a lua volta e meia mostra sua cara.. . Não é injusto com você sentir alegria apenas quando alcança determinadas coisas? Até porque quanto mais você alcança, mais os próximos degraus são difíceis, e exigirão além. Daí, o próximo instante de felicidade fica ainda mais distante...

Aprendi muito disso lendo sobre budismo, a arte de contemplar. E começou a fazer muito mais sentido, visto que a felicidade adquirida por coisas mais simples, próximas, internas, e não monetárias, por incrível que pareça, são mais duradouras.

Talvez não entender essa felicidade, seja um momento tão Free LifeStyle que não é para nós entendermos, porque se entendêssemos, ele não seria tão puro, e intenso. Mas que bom que ele existe, só você não o alcança como um objetivo, você o encontra vivendo.

Compartilhar no Facebook