Escrever sua própria biografia pode ser fundamental para o seu sucesso

Para inspiração, motivação e anedotas históricas divertidas sobre a vida das pessoas famosas, voltamo-nos para as biografias dos outros.
Normalmente as pessoas pensam nelas só depois de conquistar muitas coisas, vem um escritor e ajuda colocar aquela história em um livro e todos vamos nos inspirar.

Porém, um tempo atrás, conheci uma profissional (Licht, seu nome) que precisou escrever a sua história como se fosse uma biografia e acabou tendo várias descobertas. Agora, é um dos exercícios que ela recomenda a todos – e pesquisas recentes sugerem que ela pode servir para várias questões, não só profissionais.

Em um estudo de Stanford, casais que escreveram sobre os conflitos no relacionamento como se fossem observadores neutros mostrou "melhora na felicidade conjugal" do que casais que não refletem por escrito.
Em outro estudo da Universidade Estadual de Ohio, as pessoas eram mais capazes de perceber o progresso pessoal quando narravam momentos embaraçosos de sua vida na terceira pessoa.

Em outras palavras, a nossa forma de contar nossas histórias importa.
Para ser claro aqui, não estou dizendo que você deve escrever uma retrospectiva de 300 páginas de sua vida e escolhas – pelo menos para efeitos do presente exercício. Imagine que você é um jornalista escrevendo um perfil, Licht aconselha. O que acontece é que o tema desse perfil passa a ser você. É por isso que é uma "biografia" e não uma "autobiografia" – tanto quanto possível, você quer estar fora de si mesmo.

Veja aqui algumas dicas do que pode ser feito:

Escreva na terceira pessoa.

Não só é mais eficaz – fingir que você não é você mesmo dá-lhe algo muito mais perto de uma perspectiva externa, diz ela – é também mais confortável. "É tão estranho para falar de nós mesmos", Licht reconhece. Mudar de "eu" para "ele/ela" pode ser libertador.

Seja abrangente.

Você contêm muitas coisas (e assim deve ser sua biografia). Coisas para falar: educação, plano de carreira, empregos e títulos, passatempos e paixões, talentos e premiações, afiliações (instituições de caridade, sociedades, grupos), de personalidade, atributos físicos e status da família. O efeito total deve ser uma "vista aérea" e isso pode ser ótimo para perceber várias possibilidades para sua vida.

Leia-o de volta para si mesmo.

Avalie a pessoa que você está lendo como se você não fosse você. Você gosta de você? Você quer contratar você? A história que você está contando sobre si mesmo é interessante? É a história que você quer ser lembrado? O objetivo é obter uma avaliação honesta para ajudá-lo a descobrir o que você tem – e o que pode estar lhe faltando.

"A melhor coisa que pode acontecer é você não gostar", diz Licht. "Porque se você não gosta, você tem o poder de mudar". É por isso que ela acha que o exercício é especialmente crítico para as pessoas que estão pensando sobre o significado das coisas que tem feito e os caminhos que estão seguindo.

Como Free LifeStyles temos um propósito fundamental de viver grandes histórias, então por que não já ir verificando? Se não tiver uma boa história, pelo menos sabe que está na hora de mudanças (normalmente mais atrevimento) e se a história está legal, como ela pode ficar melhor ainda? Ao nosso ver, só temos a ganhar o/

Fica uma trilha sonora para começar a escrever

Fonte: Business Insider

Compartilhar no Facebook