Enchendo o coração de saudades boas

Hoje terminei o livro – Éramos seis – um clássico que virou novela. Sinceramente, não foi um dos melhores livros que li e considero ele médio, mas isso é opinião apenas de um leitor, pode ser o momento ou até a escrita.

Porém, eu fico feliz de ler um livro, quando ele me remete a uma boa reflexão e esse me faz pensar sobre saudade.

Não posso fazer o spoiller, mas o cerne do livro gira sobre as memórias de uma senhora sobre a sua vida um tanto sofrida com seus 4 filhos.

A questão é a vertente muito triste de uma vida repleta de aprendizados, amores disfarçados e superação. Ao contrário de todo mundo, não fiquei com pena pelo o que ela viveu, mas com a sua percepção da vida não sofrida e sim cheia e intensa que teve. Percebi, principalmente que a saudade foi norteadora de suas decisões, mas era uma saudade que doía.

Eu compartilho da ideia do meu querido amigo Lucão:

“Saudade é quando você gostaria de ter feito algo bom e fez. ”

Dessa forma, ela tem uma conotação positiva e agradável, não solitária e triste como normalmente apresentam.

O segredo da saudade boa é a gratidão dos momentos incríveis que passaram, aquela sensação de que você fez e viveu aquilo que era para viver.

Alguns podem dizer: mas, eu quero novamente, ora...

Você jamais terá as mesmas coisas novamente, as situações não têm como ser igual, as pessoas todos os dias mudam um pouco, as crenças, o tempo, os estímulos. Humanamente e cientificamente é completamente impossível você reviver as coisas e isso é bom, lhe permite novas histórias e a lembrança de um momento único, imagine só guardar coisas iguais?

Eu precisava compartilhar isso, pois sempre fui uma pessoa considerada estranha sobre o quesito saudades, as pessoas me perguntavam, você não tem saudades? E eu digo: sim, só que ela não dói, elas são ótimas lembranças que trago comigo em momentos meus.

É obvio, que adoro rever as pessoas que amo e visitar lugares que me fazem bem, porém, um coração pirata Free LifeStyle almeja novas histórias e sabe que a vida trará as histórias que precisamos viver.

Retornar é ótimo, mas o novo também é. Viver com a mente no passado e focar apenas no que já foi não é viver, é lembrar e de lembranças não se vive, apenas os livros.

Eu queria que você olhasse para a saudade hoje de um jeito diferente, com uma nostalgia de dever cumprido e uma inspiração as novas aventuras. O mundo tem várias delas para você e eu tenho certeza, que um coração cheio de boas saudades lhe trará uma vida mais plena do que o tesouro americano poderia comprar. Afinal, os verdadeiros tesouros não podem ser contabilizados.

Compartilhar no Facebook