É fácil amar a vida na boa. E na ruim, o que você faz?

O medo pode tentar matar os sonhos, o medo pode tentar matar a esperança, o medo pode tentar matar as suas vontades... Mas ele jamais conseguirá se você não der a sentença.

Quando tudo está ótimo, dizer o quanto gosta é fácil. Fazer um elogio é tão tranquilo quanto respirar, passar positividade é simples. Mas quando a poeira sobe, o mundo traz suas dificuldades, o seu peso para os ombros e aí que a coisa acontece.

Nessa hora, saber segurar o tom de voz para não ser agressivo é realmente heroico, precisa ter muita determinação e coragem para se manter acreditando, contemplando e sentir-se grato por ter a oportunidade de lutar novamente, começar de novo.

O Chorão já dizia: “fazer da dificuldade minha motivação”, uma frase linda que você acha espetacular quando está de boa, mas que quer mandar a merda quando está na pior – e infelizmente quando mais precisa.

Não tenha medo de assistir a um vídeo motivacional porque está ruim. Somos humanos, e todas as forças saudáveis que pudermos usar, melhor – um abraço e carinho dos amigos, da família, uma troca de ideia com seu mentor, um artigo na web, um grupo de discussão... É certo que vai acontecer, mas como você realmente vai lidar com isso é que eu me pergunto agora.

Pois sempre parece que não vai ser tão ruim as nossas quedas, que as últimas foram as piores, mas a vida trata de nos mostrar que os tombos sempre continuam duros, doloridos e pesados. E aí, quanto tempo vai ficar no chão? Quanto tempo até perceber que foi mais um? Quanto tempo até se dar conta que não será o último? Quanto tempo até notar que aqui está sua verdadeira nobreza?

Onde você quer chegar e quem você quer ser são determinados por esses momentos em que muito se perdeu. Pois aqui você está destrutivo a ponto de machucar pessoas com suas palavras, mudar suas verdadeiras ambições, jogar tudo a perder. Não sei se você acredita em destino e pensa que isso são testes, ou se está precisando se provar em algo... ##Não importa, a real é que vai acontecer, e como você lidará define muito de onde poderá chegar.##

Para um mundo melhor, todos temos que aprender a cair e não puxar o outro junto, saber pedir uma mão para se levantar, encontrar as nossas forças que existem para voltar, lembrar os desgostos de ter errado e feito algo ruim para melhorar na próxima, ir mais longe, melhor...

Ajudar as pessoas não só para ser ajudado um dia, mas porque é certo, porque é melhor termos grandes parceiros de caminhada juntos – e às vezes esses não precisarão nos levantar a mão, porque evitaram as quedas.

Independente do que a vida lhe dê, o tropeção, voadora ou até um soco direto... eu te pergunto: o que você vai fazer?

Esse artigo foi inspirado no seguinte vídeo:

Compartilhar no Facebook