Comum é o ponto de vista dos chatos

Deixa eu te contar uma grande verdade – a vida é extraordinária.

Se você não vê isso, é por culpa do seu ponto de vista. E não propriamente, pelo o quê acontece. Ok, você pode me dizer que está numa “bad”, e isso eu entendo. Também tenho delas. Mas para as pessoas que veem a vida de uma forma especial, como ela realmente é, isso logo passa.

Notei isso em um restaurante, onde estava com um amigo, e comia uma comida mineira divina. Para mim era divina, mas para ele, boa. Quando falávamos sobre isso, ele comentou – “Cara, como a todo momento você encontra a melhor coxinha de galinha, o melhor kibe, ou um dos melhores cafés de todos os tempos...? E quando estou contigo - acho que isso só aconteceu uma vez - na maioria das vezes, você achou tudo de outro mundo, e eu apenas bom?”.

Foi como um “plin”... É o tal o ponto de vista.

Eu sou daquelas pessoas que vai à um boteco de beira de estrada, caindo aos pedaços, e que faz disso, a melhor experiência em botecos da vida. Ainda me sinto honrado de estar lá, procuro saber mais do lugar, degusto o quê se tem para oferecer, presto atenção às pessoas e em tudo que rodeia o ambiente.

E daí, o quê acontece? O momento se torna mágico… especial demais.

Foi quando percebi que grande parte das pessoas, vive uma vida comum. Não porque suas vidas são comuns, mas porque elas as veem assim, e não querem perceber de outro jeito. Parece que se chatear com o quê se passa, reclamar e buscar pena de si mesmas, são as melhores sensações que alguém possa ter.

NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO... é claro que NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.

Conheço pessoas que têm uma Ferrari, e reclamam demasiadamente de suas vidas medíocres. Conheço outras que viajam muito, e acham suas vidas um porre. Até mesmo pessoas que moram em barracões e se acham infelizes, porque são pobres. Por outro lado, conheço pessoas de Ferrari que gozam de real sentimento de aventura e de alegria pela vida. Outras que viajam bastante, e se sentem privilegiadas. Ainda, outras em barracões, gratas por tudo que têm e pela comunidade em que vivem... E por fim, andarilhos que vendem para poder almoçar e jantar, e que se consideram afortunados por serem livres.

Note que, pessoas com bens, empregos, e até em lugares muito parecidos, veem a vida de forma bastante diferente: alguns apreciam o simples; outros a extravagância.

Talvez não seja a hora de ver o extraordinário de hoje? Será que essa é, a melhor história que você já leu? Está no melhor sofá? Ouve o melhor áudio? Algo que posso lhe garantir é de que as pessoas adoram ficar perto de pessoas, que trazem esse ponto de vista, e as faz sentir algo extraordinário – afinal, elas estão mesmo.

Free LifeStyle é fazer do momento agora, uma infinita gratidão, por algo que se chama vida. Ela está acontecendo, agora mesmo.

Compartilhar no Facebook