A verdade sobre a escolha de estar sozinho(a)

Está chegando o inverno, e com aquele friozinho, a vontade de ficar em casa, mais tempo em baixo das cobertas, filmes, jantares e vinho. Ou até aquelas comidinhas típicas como fondue, pinhão, sopa e chocolate quente. Praticamente são como você entrar em um restaurante e ver que a mesa é para dois, ou seja, fica melhor com uma companhia.

Se você ficou solteiro(a) há pouco tempo, no início até vai achar o máximo a oportunidade de fazer algumas dessas coisas de boa – divertir-se do seu jeito, ser um pouco mais egoísta e apenas pensar no que te dá prazer. Porém, com o tempo, esse modo começa a não parecer mais tão legal, fica faltando algo, uma peça importante, e você não quer estar ali só.

As pessoas que já estão livres há um pouco mais tempo, muitas vezes, começam com essa percepção apurada de que realmente tem algo errado; de que não era para estar tendo esses momentos, sem ninguém para compartilhar.

E é aqui que mora o problema...

Quanto mais começamos a notar que as atividades, os tempos de bobeira e até aquelas grandes experiências, nós DEVERÍAMOS estar com alguém, é sinal que pode acontecer bobagem. Pois quando a palavra passa a ser deveria, torna-se quase como uma obrigação, algo urgente e de imediato.

Pense em quando você está com um pouco de sede. Você vai lá e seleciona o que mais seria interessante beber naquele momento, o que combina com sua vontade, saúde etc. No entanto, quando você está morrendo de sede, até a duvidosa água de torneira parece espetacular.

É nisso que devemos tomar o maior cuidado do mundo, muitas vezes meus amigos e conhecidos adoram falar “Bru, eu tenho o dedo podre” – em especial as minhas amigas mulheres, porque caras dificilmente falam nesses assuntos. E o que eu notei foi que normalmente eles escolheram as pessoas nesse período da vida.

Estavam cansados de estar só, e aí a primeira pessoa um pouco mais legal que aparece já se torna a pessoa “ideal”, e você começa a investir nela. Existe algo na sua mente também, que busca justificar suas escolhas quando elas estão feitas, para diminuir o arrependimento.

O que isso quer dizer?

Significa que num primeiro momento, é natural seu cérebro buscar todas as justificativas do mundo para provar que sim, você fez uma boa escolha. Porém, o tempo é implacável e vai lhe mostrar a verdade. Se foi algo forçado, por uma necessidade e não natural, logo chegará a hora de que algo está errado e essas justificativas começam a cair uma a uma na realidade.

Uma vez, um amigo meu me disse uma das frases mais simples e sábias sobre isso: “Um relacionamento foi feito para ser bom”. E é exatamente isso, não porque você está buscando desesperadamente acreditar que fez o certo, mas de maneira natural você sente isso.

Mesmo com as brigas e desentendimentos normais de dois seres humanos, você quer se ajustar, quer fazer dar certo porque sente que é certo.

Logo, forçar esse sentimento é um sinal problemático, você não deveria jamais ter que convencer uma pessoa que ela foi feita para você, como acontece muito nessa época, ou ser convencido por alguém... Isso tem muito a ver com essa “necessidade”, e a probabilidade de dar algo errado é imensa.

Como Free LifeStyle é importante se focar em estar bem consigo para depois levar o seu melhor a outra pessoa. E tudo isso deve acontecer de forma natural, que ambos sentem e querem estar juntos, porque estar juntos faz bem e parece que potencializa você.

Compartilhar no Facebook